Food Experiences

[ Testadas & Recomendadas by COMIDAcomPAIXÃO © ]





{ Julho }  Herdade do Esporão, Reguengos de Monsaraz, Portugal


Há lugares que nos transportam a épocas felizes das nossas vidas sempre que lá regressamos. Levam-nos de novo à infância e à adolescência, aos fins de semana prolongados, às férias grandes de Verão, aos dias longos e quentes, ao cheiro das nossas memórias... Regressar ao Alentejo é assim para mim. Uma viagem mágica no tempo, pelas estradas que cortam a planície e onde as copas dos sobreiros se tocam lá no alto. 
Voltar a Reguengos de Monsaraz tem sempre sabor às lembranças no monte dos tios, às aventuras culinárias com as carnes de caça, às passeatas pelas margens do rio Degebe por onde se apanhavam ervas aromáticas, Silarcas e Espargos selvagens. Curioso, como quase 20 anos depois, em cada regresso cada uma destas memórias se torna incrivelmente vívida, como se o tempo ali tivesse cristalizado, permitindo-me reviver de novo cada uma delas.

Este enorme laço emocional que me liga a Reguengos, liga-me (inevitavelmente) à Herdade do Esporão. E é difícil não ser fã deste projecto com mais de quatro décadas de existência!
É inevitável associar a marca Esporão a vinhos de excelência, mas quem visita a herdade percebe rapidamente que a identidade desta marca (orgulhosamente) nacional se foca numa perspectiva de desenvolvimento e dinamização conjunta entre a empresa, a região e os seus parceiros. O Esporão tem desenvolvido esforços notáveis para "reencontrar" as raízes históricas do local onde se insere, um cuidadoso trabalho de preservação do ecossistema natural que o envolve, apostado na inovação como o caminho para a excelência dos seus vinhos e dinamizado a íntima ligação que o vinho e a gastronomia tem na cultura local e nacional, como formas de diferenciação da sua marca. E são todos estes predicativos que tornam a visita à Herdade do Esporão uma experiência de enoturismo de qualidade superior.   




A nossa primeira incursão gastronómica e vínica na Herdade do Esporão teve lugar há alguns anos, ainda o restaurante se localizava na Torre. E já nessa altura fora uma experiência memorável.
No fim de semana passado voltámos, em jeito de passeio de fim de semana "namoradeiro" sem tempo contado. Deixámos um dia cinzento e chuvoso em Sintra e chegámos a Reguengos com um dia de Verão ameno e duas barrigas a necessitar de sustento.

Gosto muito da expressão "alimento para a alma" e o actual restaurante do Esporão ilustra-a bem. Salas amplas com vistas privilegiadas para a vinha, o grande lago e o montado nutrem plenamente a alma, mas é no prato e no copo que a experiência alcança, naturalmente, a satisfação do corpo.
A carta Primavera/ Verão 2014 do chef Miguel Vaz inspira-se nas receitas tradicionais da região, reinventando-as através da combinação de conhecimentos e técnicas tradicionais com outros mais modernos, sempre com recurso a ingredientes de primeira qualidade, onde os produtos hortícolas sazonais e provenientes da horta biológica da herdade assumem um papel preponderante.

A nossa experiência foi composta por cinco pratos harmonizados com vinhos sugeridos e enquadrados pela simpática e especializadíssima equipa do Esporão.

1. Visita à Horta...
* Este é um prato cujos ingredientes são sazonais e por isso variáveis - da nossa experiência destaco os inesperados rolinhos de couve e a tempura de pimento e cebola, harmonizado no copo com o delicado monocasta Verdelho
2. Bacalhau 66º C, Panadeira de Batata e Legumes
* Surpreendente pela delicadeza da panadeira de batata, com um topo suavemente crocante e um interior macio, este acompanhamento tem as suas raízes numa receita da região e foi harmonizado com o Esporão Reserva Branco
3. Lombo e Dianteiro de Borrego, Grão de Bico, Aiolli de Pêra e Ervilhas
* Escolha do sr. Marido (mas partilhado também comigo), deste prato destaco a textura incrivelmente macia da carne de borrego, cozinhada em modo slow cook, a delicadeza do aiolli de pêra e a textura al dente das ervilhas - prato harmonizado com o Esporão Reserva Tinto
4. Desafio de Chocolate, Azeite e Vinho 
* O nome caracteriza plenamente a experiência degustativa desta sobremesa, harmonizado com o Azeite Galega e os vinhos Esporão Reserva Branco, Late Harvest Branco e Porto Tawny 10 Anos
5. Mil Folhas de Morango e Vinho Licoroso
* Uma sobremesa harmoniosa em sabores e texturas contrastantes e complementares, harmonizado com o Late Harvest Branco




Um almoço temperado com conversas em português de Portugal e do Brasil e também em inglês, animado inesperadamente por músicas e cantares alentejanos, em que as horas foram passando devagar, sem pressa de voltar. Passámos da sala interior para a esplanada e ali fomos ficando, entre conversas amenas, o sol que desaparecia lentamente no horizonte, um jarro de Sangria e a música da MaryJazz.

A convite do simpaticíssimo Antonio Roquette, estreámos o Sunset Esporão, que acontece todas as Sextas, Sábados e Domingos, das 19 às 22h, até ao final de Setembro. O conceito é simples, são fins de tarde com pôres-do-sol gloriosos sobre a vinha, o grande lago e o montado, com Música, Vinhos, Sangria e Petiscos Alentejanos que vão desde a clássica Tábua de Queijos e Carnes Curadas, ao Queijo de Cabra com Chutney de Cogumelos Terrius, passando pelo Gaspacho de Morangos, Ervas Aromáticas e Petingas Portuguesas, entre outras delícias tentadoras. 

Deixámos a Herdade do Esporão já a noite ia longa e continuámos em modo de improviso... O vento que soprava não foi forte o suficiente para nos levar de volta a Sintra e deixámo-nos seduzir pelo céu estrelado da encantadora cidade de Évora.



[  Junte-se a nós no Facebook  ]


Aceite a sugestão e este Verão fuja do convencional, namore e enamore-se pelos prazeres mais simples da vida.


Herdade do Esporão
Reguengos de Monsaraz, Portugal
Reservas: +351 266 509 280 | reservas@esporao.com




.  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .





{ Abril }  Squatting by Silver.Spoon, Antigo Museu da Rádio, Portugal


Imagine-se a "okupar" um antigo palacete devoluto no centro de Lisboa para uma experiência gastronómica envolta em mistério. Nada sabe sobre a ementa, os vinhos, nem quem partilhará consigo a mesa do jantar.
Imagine-se a chegar à morada que lhe fora facultada poucas horas antes do evento e ser recebido com uma caixa de luvas de látex, ser-lhe pedido que retirasse apenas uma, que a usasse na mão com que iria comer e que seguisse as velas espalhadas pelo chão do edifício sem electricidade.

Que sensações, emoções e sentimentos lhe causariam este cenário?
Estranheza, desconforto, expectativa, ansiedade, nervosismo, curiosidade, receio?

Foi com um misto de todas estas sensações, emoções e sentimentos que caminhámos por entre as velas que iluminavam o chão do Antigo Museu da Rádio, Antiga Emissora Nacional, situada na Rua do Quelhas, na Lapa, em Lisboa. Lá dentro, à direita, a sala dos welcome drinks; à esquerda, uma sucessão de pequenos gabinetes intransitáveis por madeiras e cabos amontoados, adormecidos e esquecidos das memórias de eventos históricos que ali se viveram outrora e de toda a vida que já animou aquele edifício. E os convivas, de luva de látex na mão, em fila desorganizada no bar, esperando a sua vez por uma bebida, começavam a ser servidos com o amuse bouche que iniciava esta experiência "okupa": Salmão e Couve Flor embalados em pequenos sacos individuais fechados, acompanhados por um dressing servido num tubo branco selado e sem rótulo, que fazia lembrar um tubo de pasta de dentes. Os olhares eram de espanto, de estranheza silenciosa por entre conversas de ocasião... Em comum tinhamos todos estar muitíssimo longe das nossas zonas de conforto.

Lá fora, a noite caía devagar e nós dois olhávamos os relógios, confessamente ansiosos por descobrir afinal se a experiência gastronómica que nos esperava seria mais estranha que memorável...




Chegava o lusco-fusco quando acedemos à zona de jantar no primeiro piso.
Salas contíguas com mesas, cadeiras, atoalhados imaculadamente brancos, copos brilhantes e guardanapos de tecido para mais de meia centena de convidados, contrastavam com as janelas de vidros partidos e paredes escuras. Escolhida a sala e os lugares, "quebrámos o gelo" com o primeiro casal que a nós ali se juntou e aguardámos pacientemente que a mesa se enchesse e o serviço tivesse início.

Esta experiência foi composta por seis pratos com nomes inspirados no tema Squatting (em português "Okupa"), todos com harmonização de vinhos portugueses produzidos na zona de Lisboa e Vale do Tejo e escolhidos pela equipa.

1. Urban Fishing for Snacks
2. Missing Payments
* Deste prato destaco a surpresa da utilização da Salicórnia, legume salgado e suculento que cresce nos sapais dos estuários dos rios, que pode ser consumido crú ou cozinhado e que complementava muitíssimo bem as Lulas grelhadas
3. Out of Gas
* Irreverente na sua composição, este prato combinava inesperadamente Framboesas com Carpaccio e Endívias
4. No Electricity
* A utilização do Bacalhau Fresco marinado em Leite e complementado com Sementes de Abóbora estaladiças fez deste um dos meus pratos preferidos
5. Broken
* Outro dos meus favoritos, este prato tinha como elemento principal Barriga de Porco (Entremeada) cozinhada em modo Slow Cook conjugado com Iogurte de Wasabi, Quinoa, Sementes de Canhâmo e Papoila
6. Stolen Sweets
* Totalmente inesperado e com reminiscências dos anos 80, esta sobremesa combinava Ananás Caramelizado com Especiarias e surpreendia pelo efeito Peta Zetas



[  Junte-se a nós no Facebook  ]


Este evento teve lugar num edifício fechado e abandonado, sem água, gás ou electricidade, sendo que na cozinha e áreas de serviço improvisadas os pratos foram concluídos recorrendo à ajuda de um gerador (que, para aumentar ainda mais a realidade "okupa" da experiência, disparou várias vezes, obrigando a que os chefs Silver.Spoon se adaptassem temporária e repetidamente à penumbra) e nas salas de jantar a iluminação foi feita exclusivamente por velas, fazendo-nos pensar sobre o nosso crescente património arquitectónico devoluto.

O ambiente foi intimista, a companhia à mesa se tivesse sido escolhida de antemão talvez não tivesse resultado tão bem (obrigada pela vossa imensa simpatia, Teresa, Rui(s) e Luís), o serviço foi de excelência e a experiência gastronómica excepcional!

Não perca o próximo evento Silver.Spoon e lembre-se... A magia acontece sempre fora da nossa zona de conforto!


Silver.Spoon | Guerilla Dining
Copenhaga, Dinamarca 




.  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .





{ Março }  Tivoli Palácio de Seteais, Portugal


No âmbito da primeira edição de 2014 do Portugal RestaurantWeek, que decorreu de 27 de Fevereiro a 9 de Março, regressámos ao idílico Palácio de Seteais, em Sintra. Este luxuoso palácio, que possui uma vista arrebatadora sobre o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena, é um monumento nacional de visita obrigatória. Construído no séc. XVIII é agora um hotel de luxo, que proporciona aos seus clientes e visitantes (entre tantas outras coisas) experiências gastronómicas de excepção. Luís Baena é o chef executivo dos hóteis Tivoli e assina todas as ementas desta cadeia de hotéis.

O restaurante panorâmico do Palácio de Seteais tem uma vista absolutamente deslumbrante para os jardins do hotel e para a serra de Sintra e ementas de cozinha portuguesa e internacional, com menus à la carte fora do evento Portugal Restaurant Week. O serviço é de excelência e a decoração bucólica e romântica, sendo o local mais que perfeito para um jantar a dois.
Este restaurante é um dos mais apetecidos durante o evento, esgotando as datas disponíveis para reserva mesmo antes do evento arrancar. Esta cozinha aproveitou a aplicação BestTables, fez a reserva para uma das últimas datas livres e ADOROU a experiência!

  • Amuse Bouche: Gratinado de Morcela, Pêra Caramelizada e Queijo Brie *
    * Nota: Tive oportunidade de experimentar também o Filete de Cavala sobre Puré de Tremoço e Rebentos Frescos, escolhido pelo sr. Marido, e gostei bem mais da harmonização de sabores desta entrada de peixe do que da de carne
  • Prato Principal: Folhado de Linguado com Alho Francês e Molho de Camarão, Pudim de Legumes e Folhagem Verde
  • Sobremesa: Azevia de Maracujá Roxo com Sorvete de Lima



[  Junte-se a nós no Facebook  ]


A primeira edição de 2014 deste evento já terminou, mas fique atento à próxima! Aproveite para conhecer lugares, restaurantes e cozinhas fantásticas a um preço imbatível e delicie-se!


Restaurant Week | Site Oficial

Hotel Tivoli Palácio de Seteais
Rua Barbosa Du Bocage 8, 2710-517 Sintra, Portugal
+351 21 923 3200








{ Novembro }  Bocca di Bacco, Alemanha


Na nossa última viagem a Berlim, escolhemos o restaurante italiano clássico Bocca Di Bacco para o jantar de comemoração de uma data especial. É o restaurante preferido do Sr. Marido nesta cidade e encanta qualquer foodie! Espaço elegante, atendimento de excelência e comida de comer e chorar por mais, as escolhas desta nossa visita deixaram-nos de sorrisos nos lábios e de paladar(es) maravilhado(s)!

  • Amuse Bouche: Bresaola de Vitela com Salada e Pinhões Torrados
  • Prato Principal: Medalhões de Vitela com Crosta de Cogumelos Porcini e Pistachio
  • Sobremesa: Parfait de Biscoitos Cantuccini com molho de Vin Santo



[  Junte-se a nós no Facebook  ]


Se a comida não for argumento suficiente para conhecer este restaurante numa próxima visita a Berlim, saiba que este espaço é a escolha de celebridades como George Clooney, Matt Damon, Robert Pattinson, Ashton Kutcher, Morgan Freeman, Tina Turner ou Sandra Bullock quando visitam a cidade. Por isso, se e quando visitar o restaurante olhe à sua volta, pode ser que os encontre na mesa do lado!

Nota: Conheça Berlim pelos meus olhos e pela minha lente, clicando, em cima, no nome da cidade.


Bocca di Baco
Friedrichstraße 167, 10117 Berlin, Alemanha 
+49 30 20672828




.  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .





{ Maio }  Cooking and Nature | Emotional Hotel, Portugal


Uma sugestão do Sr. Marido que conjugava lazer e trabalho levou-nos ao hotel Cooking and Nature, a cerca de uma hora de Lisboa e em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Assim que chegámos fiquei rendida ao espaço e ao conceito de design: fresco, natural (no estilo e nos materiais utilizados), criativo, disruptivo e com imensas alusões à nossa essência cultural.
No interior, poltronas e sofás forrados a Chita, frases de autores portugueses estampadas em móveis, estantes com livros para miúdos e graúdos, um honesty bar com lareira a fazer lembrar a sala de estar de casa... Os quartos primam pela singularidade dos temas, cada um deles uma surpresa pela decoração, materiais, texturas, cores e todos emoldurados por uma vista azul céu e verde abundante da serra. E a cozinha (aiiii aquela cozinha!) inspiradora pela luz natural, pelas bancadas generosas e pelas pessoas sorridentes (staff e hóspedes).
No exterior, como nos explicou o proprietário Rui Anastácio, a construção do edifício foi feita de forma a respeitar as árvores centenárias existentes no terreno e elas ali repousam, serenas e portentosas, protegendo do sol quem descansa no alpendre do hotel que dá acesso à piscina com vista para a serra. E o tempo corre devagar, fazendo-nos esquecer o tic-tac do relógio e a azáfama da capital, ali tão perto e cada vez mais longe.

Se de dia o hotel é surpreendente, com o cair da noite torna-se mágico, pois tomamos o espaço nosso, sentindo-o cada vez mais como uma casa fora de casa. À hora marcada e com uma ementa previamente escolhida por nós, entra-se na cozinha e ali se recebem sorrisos, aventais, receitas e ingredientes locais da melhor qualidade. Mas desengane-se quem pensar que ali vai trabalhar para comer. O hóspede usufrui apenas da melhor parte da experiência: cozinha com assistência permanente de gente entendida e simpática as receitas do chef  Nuno Barros, desenhadas especificamente para o hotel (e que, por cortesia do Cooking and Nature, pude partilhar convosco a receita da magnífica Mousse de Requeijão com Lima, Compota de Abóbora e Frutos Secos Caramelizados). Comida pronta, toma-se conta da mesa e das cadeiras, come-se (e maravilhosamente!), bebe-se, ri-se, conversa-se e a loiça fica para o simpático pessoal do hotel. E vai-se ficando, entre dois dedos de prosa e mais um copo de vinho. Aquela cozinha é todo um manancial de inspiração, boa disposição e energias criativas... Fantástico espaço e conceito este! Ao nível do que de melhor se faz lá fora, mas inovador, singular, irreverente e luxuosamente simples. E é nosso, de corpo e alma lusa!

VISITE! Perca-se por lá num fim de semana, numas mini-ou-grandes-férias, coma, beba, descanse, mime-se, caminhe pela natureza e seja feliz! E, lembre-se, nos sítios mágicos tudo de bom é possível acontecer...



[  Junte-se a nós no Facebook  ]


Ficou curioso(a)?

Descubra mais no site e na página do Facebook do Cooking and Nature | Emotional Hotel e... VÁ!


Cooking and Nature | Emotional Hotel
Rua Asseguia das Lages 181, 2480-032 Alvados, Portugal
+351 244 447 000


Sem comentários: